FPI On - O Jornal da Fundação IBM

 

O ano de 2016 foi conturbado para o Brasil tanto política como economicamente. Mas será que entre crise econômica, processo de impeachment e nova equipe de governo, o Brasil já está pronto para voltar a crescer? Segundo as análises do Itaú Asset, o gestor de renda fixa e variável passivas da Fundação IBM, os sinais são positivos, mas não podemos ser muito otimistas ainda. Veja a seguir:

Atividade Econômica

Apesar do aumento na confiança de que a economia vai começar a girar, os números de atividade econômica ainda são de retração. Segundo o IBGE, o faturamento dos principais segmentos da economia brasileira recuou e o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) também tem apontado uma dificuldade da economia em crescer este ano. A expectativa do Itaú Asset é de queda de 3,7% no PIB este ano e expansão de apenas 0,2% em 2017.

Política Fiscal

A PEC 241, também conhecida como a PEC do Teto dos Gastos, foi aprovada na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Como todos sabem, segundo a PEC, o governo federal terá o crescimento das suas despesas por exercício limitadas à inflação dos 12 meses anteriores, com o objetivo de controlar a dívida pública. Esta medida, apesar de essencial para a sustentabilidade das finanças do governo, terá pouco impacto no curto prazo.

Controle da Inflação

A inflação, que estava fora de controle nos últimos meses, começou a desacelerar, inclusive em um ritmo mais forte do que os analistas estavam esperando. A desaceleração do IPCA foi impulsionada pela variação dos componentes da alimentação domiciliar, assim como os preços de serviços e bens industrializados. Desta forma, existe uma expectativa que o IPCA feche o ano na casa dos 6,8% e, no ano de 2017, em 5,0%.

Diante deste cenário, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que mantinha a taxa básica de juros (Selic) em 14,25% desde julho de 2015, reduziu esta taxa para 13,75% nas reuniões de outubro e novembro. Apesar de muitos especialistas estarem esperando reduções ainda mais agressivas para a Selic, o Copom ainda vê muitas incertezas no horizonte, mas estas reduções já apontam para um ciclo de gradativa melhoria na confiança da economia e aumento do consumo.

Os grandes pilares da retomada da economia brasileira estão nas decisões do novo governo. A PEC do Teto dos Gastos, bem como a reforma da previdência serão essenciais para criar um ambiente propício para o controle da inflação e a redução da taxa de juros. Assim, os investimentos em renda fixa irão apresentar uma tendência de rentabilidades menores e os investidores com perfis mais agressivos deverão aumentar o risco de suas aplicações.

Fonte: Jornal da Fundação Previdenciária IBM - FPI On - Edição #03

Acessos: 16585