FPI On - O Jornal da Fundação IBM

 Quando você consegue organizar sua vida financeira, a tendência é que você passe a ter alguma “sobra” para investir. O primeiro passo para se tornar um bom investidor é entender as características de cada tipo de investimento, seus potenciais de ganho e os riscos envolvidos.

Para começar, você deve entender como funciona a renda fixa, um tipo de investimento em que as condições dos títulos são estabelecidas no momento da operação, como prazo de vencimento, taxa de juros, forma de pagamento dos juros, entre outras. Veja, abaixo, as principais características dos títulos em renda fixa:

Prazo

  •         Curto Prazo – vencimento inferior a 1 ano;
  •         Longo Prazo – vencimento superior a 1 ano.

Forma de pagamento dos juros

  •         Prefixada – retorno determinado no momento da compra do título;
  •         Pós-fixada – retorno dado por um indexador mais uma taxa previamente determinada e só é conhecido ao final da aplicação;
  •         Mista – combina as características dos títulos pré e pós-fixados.

Classificação por emissor

  •         Títulos Privados – captação de recursos para financiar instituições financeiras e não financeiras. Os principais títulos privados por Instituições Financeiras são:

-    Depósitos Interfinanceiros (DI)

-    Certificados de Depósitos Bancários (CDB)

-    Letra Financeira (LF)

-    Letra de Câmbio (LC)

-    Letra Hipotecária (LH)

-    Letra Imobiliária (LI)

-    Recibo de Depósitos Bancários (RDB)

  •         Títulos Públicos – captação de recursos para financiar o déficit orçamentário do Governo. Os principais títulos públicos são:

-    LFT – Letras Financeiras do Tesouro – rendimento pós-fixado definido pela Taxa Selic;

-    LTN – Letras do Tesouro Nacional – rendimento prefixado;

-    NTN-B – Notas do Tesouro Nacional Série B – rendimento pós-fixado vinculado à variação do IPCA, acrescido de juros definido no momento da compra.

Marcação a mercado – afinal, o que é isso?

Esse é um conceito primordial para compreender a renda fixa. A marcação a mercado é um critério de precificação dos ativos, que pode suavizar ou intensificar as variações dos títulos entre a data de compra e de seu vencimento. Ou seja, os títulos são contabilizados diariamente pelo preço efetivo de mercado, de acordo com a média dos negócios realizados com papéis similares. Ao final do prazo, o título terá o valor que foi contratado na compra, mas o percurso até lá pode apresentar oscilações (volatilidade) e, algumas vezes, resultar em rentabilidade negativa. Sendo assim, para minimizar riscos e perdas, o ideal é manter o seu investimento até a data de vencimento.

Apesar do nome Renda Fixa, qualquer investimento no mercado financeiro possui riscos que, geralmente, são proporcionais ao retorno positivo que se consegue, ou seja, quanto maior o risco que se está disposto a correr, possivelmente, maiores serão os seus ganhos. E também há a possibilidade de retornos negativos. Os principais riscos ligados ao mercado de renda fixa são o de crédito, que ocorre com a possibilidade de o emissor de um título não pagar o que deve ao investidor que o comprou, e o risco de mercado, que está relacionado aos retornos esperados dos títulos, em decorrência de variações em fatores como taxa de juros, índices de inflação, etc.

Para entender um pouco mais sobre esse e outros investimentos, consulte nossa Cartilha de Investimentos no Portal da Fundação IBM, na aba Educação. Além da cartilha, estão disponíveis outros temas sobre Educação Financeira e Previdenciária!

Fonte: Jornal da Fundação Previdenciária IBM - FPI On - Edição #02

Acessos: 15250